Meu pescoço dói muito!

Então, parei de usar roupas justas, troquei de cadeira, comprei cinta ortopédica, fiz ioga, pilates, fui a quiropráticos e médicos de todo tipo, mas a dor continuou, um peso, um fardo, um desconforto que nem me deixava dormir mais. Às vezes era até difícil para eu respirar … – Que fizeste? – Uma mulher sábia me disse que era porque eu carregava muito… há muito tempo … – Como ela soube disso? – Só por olhar para minha coluna tensa e comprimida, só por sentir minha pele nua com seu toque de mãos velhas e gastas, ela sabia … – … Continuar lendo Meu pescoço dói muito!

Calabozo

Hasta mis 17 años, rara fueron las veces que no senti ansiedad, tristeza y rabia en las noches de domingo. Todo ese grupo de emociones estallaba tan pronto escuchaba la música de apertura del Fantástico, una programación de la televisión, que pasa todos los domingos por la noche. Al oír esta música, mismo que no estuviera al salón junto con mi madre, sentía el aperto al pecho sólo por saber que al día seguinte todo empezaría novamente. Lunes a las 7.30h tendría que estar en clase. Mi problema no era el horário del colégio en Brasil. Mi problema era entender … Continuar lendo Calabozo

Um amor impossível – Capítulo IV

IV. Acredito que minha vida tem fundo sonoro, não uma única música, nem uma única seleção. Escuto de tudo, quase tudo. Sou eclética. Hoje vou de The Police, Every Breath You Take, levei anos para prestar atenção na letra. Coincidência? Não, não acredito em coincidências, sim em atrações do subconsciente. Enquanto escuto a música toco meu sexo, minha buceta. Minha buceta molhada. Ela me proibia tocar minha perereca, tal como ela falava. Que mãe idiota eu tive. – Mãe, não é perereca. É buceta, fonte de prazer e vida! Pobre mulher que não conheceu seu próprio corpo. Adoro minha buceta, … Continuar lendo Um amor impossível – Capítulo IV

Um amor impossível – Capítulo III

III. Hoje escuto The Cure, Lullaby.  Lembro quem fui. Lembro quem queria ser. Lembro meu corpo branco, as sardas no ombro, não era magra, não era gorda. Era gostosa. Hoje não estou assim, deixei a vida pesar e os quilos acumularem. Me lembro deitada no chão do meu quarto, na casa da minha mãe. Trancada, sem poder sair. Ouvia música e chorava. Fazia muito tempo que não chorava, faziam 30 anos. Chorei muito quando vi sua foto, mãe. Hoje sinto falta de ar, não é a pandemia que come o mundo. É alergia, uma puta crise alérgica. Igual a que … Continuar lendo Um amor impossível – Capítulo III

Um amor impossível – Capítulo II

II. Alguma vez você já quis ser outra pessoa? Eu sim, mas agora estou satisfeita com quem sou. Gostaria sim de mudar meu corpo, mas nada de cirurgias. Existe parte desse desejo que posso conseguir com dedicação e outra parte fica no sonho pois não tenho nenhuma intensão em fazer uma cirurgia plástica. O que quero? Quero um corpo parecido com o que tinha com 18 anos. O tempo me deu anos e quilos, para cada ano 1 quilo. Um absurdo, tenho 30 anos-quilos a mais. Decisão de hoje!!! Fechar a boca de imediato e emagrecer esses quilos-anos a mais. … Continuar lendo Um amor impossível – Capítulo II

Um amor impossível – capítulo I

I. Caiu a terra e o mar mundo invertido, humanos cegos.   Cansei de ser quem não sou. Gritei, gritei, gritei. Mundo invertido, humanos mortos.   Voei, voei por onde não me permitiam. Tenho céus, mar e terra a meus pés. Humanos mortos, sobrou eu e você.   Te deito sobre a erva úmida. Tiro sua roupa, te vejo nua. Nua, só para mim. Te beijo, te cheiro, te mordo. Gritamos molhadas. Abraçada rolamos. Nos queremos, te quero mais, mais minha.   Sua pele suave, seu pelo na minha cara, seu braço, sua mão em mim. Estremeço. Te desejo entre … Continuar lendo Um amor impossível – capítulo I